Grupos de notícias

Com foco em redução de mortes no trânsito, fiscalização eletrônica passa a valer nesta quinta



Após período de campanha educativa, a partir desta quinta-feira, 4, a fiscalização eletrônica entra em vigor em Anápolis. Desde 21 de janeiro, equipes da Companhia Municipal de Trânsito, Transportes e Serviços Urbanos (CMTT) estão nas ruas entregando material informativo para conscientizar os condutores da relação entre o respeito ao Código de Trânsito e a redução de acidentes. Outros materiais educativos em formato de vídeos estão sendo também utilizados nas redes sociais. Para superar a estatística de uma morte no trânsito de Anápolis a cada três dias, a Prefeitura resolveu investir na fiscalização eletrônica, aliada a campanhas educativas constantes que reforcem comportamentos seguros no trânsito, o que, para o presidente da CMTT, Fernando de Almeida Cunha, é a maior preocupação da Companhia. “As duas diretrizes caminham juntas e são essenciais no trabalho que queremos realizar em Anápolis. Essas ações são capazes de provocar mudanças de atitude no trânsito", explica. A boa notícia é que o trabalho já surtiu efeito junto aos motoristas. Em apenas 10 dias de ações educativas, sem punições, houve redução do número de infrações em mais de 35% em relação aos 10 dias anteriores ao período. De acordo com estudos do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT), a fiscalização eletrônica é responsável pela redução de acidentes em até 70%. O diretor de Trânsito, Transporte e Educação, Igor Lino, informa que a cidade tem 370 faixas de monitoramento. Para chegar a esses dados a Prefeitura fez estudos técnicos e avaliou a melhor medida para diminuir a violência no trânsito. "Identificamos os pontos mais críticos para serem monitorados", diz, acrescentando que os equipamentos instalados até o momento já foram aferidos pelo Inmetro. Vale lembrar que os equipamentos também ajudarão as autoridades policiais no combate à criminalidade, uma vez que os radares contam com sistema de identificação de placas e podem servir também como câmeras de videomonitoramento para solucionar eventuais crimes de trânsito, roubos, sequestros, dentre outros.